O estudo concluiu que aproximadamente um terço dos pacientes hospitalizados da Covid 19 desenvolvem disfunções cerebrais

Pacientes COVID 19

Já é notícia que a doença COVID 19 é muito mais do que apenas uma doença respiratória e agora, a nova pesquisa lança luz sobre como ela afeta outra parte importante do nosso corpo, ou seja, o cérebro.

Quase um terço dos pacientes hospitalizados devido à doença COVID 19 desenvolveram uma encefalopatia, o que significa degeneração da função cerebral, revelou um estudo da Northwestern Medicine em Chicago.

Um estudo recente preocupa a permanência do presidente no hospital

Os resultados da pesquisa levantam uma séria preocupação sobre o presidente Donald Trump, sabendo que ele passou três noites no Walter Reed Medical Center e em um quadro geral também destaca o dano mental que o Coronavirus impôs a dezenas de milhares de americanos.



De acordo com os dados fornecidos pelo projeto de rastreamento COVID, mais de 4,15.000 pessoas foram hospitalizadas nos Estados Unidos da América devido a esta doença e a doença já matou cerca de 2,10.000 pessoas e cerca de 7,5 milhões de americanos estão infectados pelo vírus .

O que é encefalopatia?

O Dr. Igor Koralnik, professor de neurologia da Northwestern University que trata de pacientes na área de saúde da Northwestern Medicine, descreve a encefalopatia, uma vez que é caracterizada por função mental alterada que varia de confusão leve a coma e é a manifestação neurológica mais grave de COVID-19.

Koralnik também está entre os autores do estudo e o primeiro desse tipo nos Estados Unidos, que realizou pesquisas com 509 pacientes COVID 19 da rede hospitalar de Chicago.

O que a pesquisa diz?

A pesquisa foi publicada nesta segunda-feira no Annals of Clinical and Translational Neurology e explorou as manifestações neurológicas do vírus COVID 19. Ele também descobriu que algumas manifestações neurológicas estavam presentes em 82,3% dos pacientes em algum momento durante o curso da doença.

Os sintomas incluídos são dores musculares (44,8% de todos os revisados), dores de cabeça (37,7%), encefalopatia (31,8%), tontura (29,7%) e alterações do paladar (15,9%) e do olfato (11,4%).

O estudo é aplicável a todos os nacionais

Dr. Richard Temes, diretor do Center for Neurocritical Care at Northwell Health em Manhasset, Nova York, disse que, embora o estudo examinado na área de Chicago, eles são aplicáveis ​​nacionalmente porque o vírus COVID 19 não se preocupa com limites, fronteiras ou geografia.

Ele disse que os pesquisadores notaram que a maioria das pessoas infectadas com o vírus não desenvolverá sintomas severos, mas aqueles que estão gravemente doentes, o que significa que precisam ficar na UTI e possivelmente desmaiar e usar ventilador, correm maior risco dessas manifestações.

Ele acrescentou ainda que este estudo é para os sobreviventes do COVID 19 , sua recuperação é apenas o começo. A doença pode ter efeitos prolongados e letárgicos.

Leia também: HC permanece decisão do governo de Delhi de reservar 80% dos leitos de UTI em 33 hospitais privados para pacientes com Covid-19