Violência em Bangalore: a culpa foi pública, não da polícia, afirma uma testemunha ocular do ataque à delegacia de DJ Halli

Foi culpa do público e não da polícia, disse Sharif, uma testemunha ocular da violência em Bangalore na delegacia de DJ Halli na quarta-feira.

O que aconteceu?

Em Bangalore, três pessoas morreram depois que policiais abriram fogo contra multidões que se reuniram para protestar contra um suposto profano Facebook postar.

Multidões se reuniram em frente à casa do político local Srinivas Murthy, cujo sobrinho, Naveen, foi acusado de postar uma postagem “ofensiva” sobre o Profeta Muhammad no Facebook.



A postagem 'ofensiva' no Facebook, alegada pelos muçulmanos, acendeu um sentimento de protesto na cidade de Bengaluru, no sul da Índia, e na terça à noite o protesto foi convertido em um violento confronto.

A multidão agrediu os policiais com pedras que chegaram ao local. Eles também incendiaram veículos.

Sharif afirmou que uma parte da multidão cercou as forças policiais e as atacou por todos os lados, obrigando-as a abrir fogo.

Sharif disse: “Somos da Defesa Civil e viemos para proteger a polícia. As pessoas atiravam pedras (na esquadra), foi culpa do público, não tem culpa da polícia. Eu sou do DJ Halli, essa (delegacia) é como meu templo, minha masjid. ”

O que a polícia de Bangalore disse sobre a violência em Bangalore?

A polícia de Bangalore prendeu Naveen, que supostamente fez uma postagem depreciativa no Facebook. A polícia também prendeu 110 pessoas que faziam parte da multidão.

O comissário da cidade Kamal Pant informou que: “pelo menos 60 policiais, incluindo alguns oficiais superiores, ficaram feridos no violento confronto que aconteceu na noite de terça-feira.”

Além disso, em dois distritos policiais de Bangalore, um toque de recolher também foi imposto, informou ele.

Horas após o violento confronto, a polícia municipal twittou que a situação estava “sob controle”. O tweet acrescentou ainda que “o pessoal disparou munição real para dispersar a multidão somente depois de usar primeiro gás lacrimogêneo e cassetetes”.

O ministro do Interior do estado de Karnataka confirmou as mortes ocorridas durante o confronto.

Leia também: As empresas de mídia social temem a campanha #StopHateforProfit devido a ganhos de receita